quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

12.12.12

Que data hoje hein!

Quase um revival do IO-IO-IO da Sereia.

E o que você estará fazendo às 12h12min12s de hoje??

Aquele que passar por aqui e deixar um comentário mais próximo desse click (homenagem a Susi Saito) de tempo (tá certo, te dou uma tolerância de um minuto para mais ou para menos), você levará um livro de presente. 

Valendo!!!

(Vale a hora registrada no comentário, que é a hora onde está hospedado o blogspot, e que poderá não ser o mesmo horário do Brasil...comente antes para fazer o teste).




domingo, 9 de dezembro de 2012

Baile I - A volta de Almir

A ideia é muito simples, e genial. A inspiração veio daqui.

Reunir casais amigos para partilharem um jantar, onde o casal anfitrião é responsável por "dar a casa" e  pelo prato principal, e os outros 2 ou 3 casais convidados são responsáveis pela entrada, bebidas e sobremesa. No mês seguinte, um dos casais que foi convidado vira anfitrião, e assim sucessivamente até o ciclo se completar e começar tudo de novo.

Há tempos atrás, antes da chegada dos filhos, quando nos reuníamos na casa de algum casal amigo, chamávamos de "Baile" esse encontro. Óbvio que não era para jantar... e esse nome baile, me lembra "The Fevers", o rei dos bailes. Também me lembro de "a volta de Almir", pois todo show dos Fevers tinha essa frase como um chamariz, e eu pensava com meus botões: esse Almir deve fazer muita merda, pois está sempre saindo e voltando para o conjunto...baseado na volta de Almir, ressuscitamos os antigos bailes, estreiando como anfitriões.

A entrada foi sexualmente estimulante...torradas com pastinhas diversas, amendoim e ovos de codorna. Já com algumas taças de vinho na ideia, tivemos uma aula engraçadíssima sobre degustação de vinhos, com a sommelier Kamila, que trouxe suas experiências em degustações por Buenos Aires...por isso, vinhos argentinos da região de Mendoza foram os apreciados na noite. Nosso objetivo é achar o mais honesto dos vinhos, e por honesto entenda o que você paga menos de 30 pratas e acha que está bebendo um romanée conti.

O prato principal, a cargo de Verônica, foi um Quasi-Faisão. A coisa mais engraçada nos menus de restaurantes são os nomes dos pratos. Sempre você pergunta ao garçom, o que é esse prato? Quasi-Faisão é o famoso "Frango metido a besta", receita abaixo, acompanhado de arroz e batata palha. Fez sucesso o garoto, e é de uma simplicidade inacreditável.

Para fechar a noite, pudim de leite ninho (by Kamila), e sorvete de creme (by Siana Kibon).

Outro momento digno de nota foi patrocinado pelo grooveshark. Excelente site, que toca a música que você quer. É só fazer sua seleção e mandar ver, a trilha sonora da noite foi com o grooveshark...e para o ambiente ficar com a cara de todos, cada um sugeria sua música, e retiramos das cinzas Benito di Paula e Agepê! 

Seguem as receitas da noite:


Quasi-Faisão (receita de Verônica)

Ingredientes:

Filé de frango
Maçãs
Requeijão

Observe que não existe quantidades nos ingredientes, Verônica é assim mesmo, vão se acostumando, é tudo no olho. Prepare num marinado do tamanho de sua preferência. Tempere o filé de frango como desejar (foi usado vinho branco no tempero), e forre o marinado com os pedaços de filé.

Retire as cascas da maça e as corte em rodelas, e depois corte as rodelas ao meio, e cubra os pedaços de filé com algumas dessas "meia-lua" de maçã;

Cubra os dois ingredientes anteriores com requeijão (chuto uns 3 copos de requeijão por marinado) e leve ao forno até dourar.



Pudim de leite Ninho (receita da Kamila)
3 xícaras de chá de açúcar
3 xícaras de chá de leite Ninho
2 xícaras de chá de água
4 ovos
1 colher de sopa de maisena
Calda
1 xícara de açúcar com um pouquinho de água
Preparo:
Para a calda, derreta o açúcar em fogo baixo sem mexer até formar um caramelo dourado.
Espalhe  em uma forma de buraco no meio de 24 cm aproximadamente e reserve.
Bata todos os ingredientes acima em um liquidificador por 3 minutos e despeje na forma já com a calda caramelizada, cubra com papel alumínio e leve ao forno médio por 40 minutos. Retire do forno, deixe esfriar e leve a geladeira por 2 horas, desenforme e sirva em seguida.



Até o próximo baile!!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Vocabulário

Desde cedo, minhas filhas arrasam no vocabulário.



Quem as conhece, fica impressionado de como podem falar tantas palavras que, em suas idades, as crianças não costumam falar.

Dias desses, a mais velha, que está com cinco anos, sem muita cerimônia vem e me diz:

- você tem pênis e eu tenho vagina.

E eu vou falar o quê? Só tive chão para perguntar onde ela havia aprendido aquilo...

No dia seguinte ao episódio, ao colocar a mais nova (dois anos) na cadeirinha do carro, ela me dá um chute certeiro nos testículos, onde eu perdi as forças e tive que agachar para respirar (só os homens sabem a dor de uma bolada no saco).

A mais velha, presenciando a cena, a repreende:

- você não pode chutar o pênis de papai.

ao que a caçula responde com um olhar de dúvida:

- não é pênis, é lulu.

* * *

Só pode ser Paulo Freire.

Sim, o livro de cabeceira da mais velha é "a importância do ato de ler", que ela fica folheando sem ainda entender as palavras, antes de dormir...

E eu sempre me pergunto, de que planeta essas meninas vieram.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Cordel ao dia da bandeira


                                                         Por incrível que pareça
                                                         eu já vi acontecer
                                                         casamento balançar
                                                         e até mesmo fenecer
                                                         a data passar em branco
                                                         e o esposo esquecer

                                                         O dia que se casaram
                                                         é pra noiva importante
                                                         lembrar-se desse dia
                                                         vale qual um diamante
                                                         duas dicas vou te dar
                                                         prepare o espumante

                                                         Uma dica valiosa
                                                         chama google calendar
                                                         um programa poderoso
                                                         que vai te fazer lembrar
                                                         bote lá a data festiva
                                                         e ele vai te anunciar

                                                         Outra dica muito boa
                                                         escolha a data com carinho
                                                         assim fica mais fácil
                                                         de agradar o amorzinho
                                                         case-se num feriado
                                                         e não ficarás sozinho

                                                         No meu caso eu escolhi
                                                         o dia da bandeira
                                                         e para não me esquecer
                                                         deixo ali na cabeceira
                                                         a flâmula do Brasil
                                                         para eu não marcar bobeira

                                                         Você ficou curioso
                                                         em que data se comemora ?
                                                         esse dia da bandeira
                                                         será hoje ou outrora?
                                                         resta-me a esperança
                                                         de uma caixa de pandora

                                                         Novamente eu sou grato
                                                         ao google meu amigão
                                                         entra ano e sai ano
                                                         ele não deixa na mão
                                                         olha na figura acima
                                                         uma baita inspiração

                                                         Verônica meu amor
                                                         fico até emocionado
                                                         eu nunca esqueci
                                                         estou sempre antenado
                                                         dezenove de novembro
                                                         oito anos de casado



sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Casa de Vó

Hoje na academia, encontrei no chuveiro uma embalagem de Phebo.

Ato contínuo, fui remetido a casa de meus avós, que não estão mais fisicamente entre nós.

Esse era o sabonete que tomávamos banho lá, o cheiro da avó. Ficava numa saboneteira antiga, que ia empossando água, e o sabão ia se desbotando, de preto ia perdendo a cor, ficando creme.

Lembrei também do leite de rosa, seu 'desodorante' favorito, o único que aguentava o rojão de um dia inteiro de serviços domésticos intensos sem deixar vencimentos.


E na ausência de phebo, o sabonete da vez era o Spree! Quem se lembra desse?? De limão, numa embalagem amarela e escrito em verde! Pelo menos uma coisa o google não conseguiu achar!! Ele não achou uma embalagem de Spree!! Pena que não vendem mais desse também!

Como casa de vó é bom! E não posso tirar a razão de minhas filhas, quando choram porque precisamos voltar para nossa casa, após passarem o dia inteiro com os avós. Todos fazem isso...todos querem morar com os avós.

E por falar em cheiros, o cheiro de comida, de tanta coisa gostosa. O bolinho de carne era o meu favorito, e depois o bolinho de batata baroa. Macarrão alho e óleo, pão com pernil e angú frito. Ninguém conseguia fazer igual. Tia Rita conseguiu chegar perto do quindim, e da queijadinha da velha Naná (Tia, tem tempo que eu não sinto esses aromas hein!).

Vou parar de falar dos doces...tá me dando uma vontade de comer o arroz doce que ela fazia...geladinho, com canela...de comer rezando.

De uma simples embalagem de Phebo, tanta coisa boa veio a tona. Tantas recordações, risos e saudades. Ai está a alegria da vida.

Tive a honra de morar por quatro anos com ela, e serei eternamente grato por tudo que me proporcionou.

Meus avós, onde estiverem, recebam nossas melhores vibrações.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Evangelho segundo Pona

Como alguns demonstraram curiosidade com a linguagem criada por meu pai em sua infância, introduzida no post anterior, mandei pra ele por e-mail uma mensagem que tinha lido pela manhã, por sinal muito oportuna, e pedi que ele traduzisse para "Pona Language", para delírio dos clientes do empório.
* * *



Sumpra qui elgemas vontigens pira to afariçam dinas pira iltrem, roquesias,  parquinta nongim paderó sur faloz arguinda o sia olagroa sibri a onfartenia di sul prixime.

Ista ocavile o dazor. "Nim fuças il eltre axula qui num gestaroas qui ula ta fazosse"

U qui hije purcas o fovir di algim, omanhim raçabarós sum projaéze di nongim.

* * *

Imaginem ele falando essa coisa acima numa velocidade exorbitante, você ri e não entende nada.  Faça o teste, leia rápido o trecho acima para ver o resultado.

Para matar sua curiosidade, segue a tradução.

Sempre que algumas vantagens para ti ofereçam danos para outrem, recusa-as, porquanto ninguém poderá ser feliz erguendo a sua alegria sobre o infortúnio do seu próximo.

Isto equivale a dizer: “Não faças ao outro aquilo que não gostarias que ele te fizesse.”

O que hoje percas a favor de alguém, amanhã receberás sem prejuízo de ninguém.

* * *

Como podem observar, é basicamente a troca de vogais das palavras com algumas alterações em determinadas consoantes. O mais engrançado e tentar descobrir qual é a vogal a ser usada, e nisso que está a graça da linguagem, pois existem regras específicas...além das tais "duas desinências". E como ninguém conhece as regras, ficamos trocando as vogais ao bel prazer, e saem as coisas mais absurdas e engraçadas.

Vamos a origem do nome: Pona. Como ele gosta de exagerar nos comentários, e muitas vezes o exagero chega as raias da mentira cabeluda, ganhou entre os familiares a alcunha de Pinóquio. Até porque tem um nariz imenso. Pinóquio foi abreviado para Pino. E Pino, na sua linguagem, vira Pona.

* * *
A próxima etapa é publicar sua gramática, pois isso tem que ficar registrado para posteridade, e até hoje, para os leigos, as regras de formação das palavras são empíricas. Vamos ver quando isso vai acontecer...a certeza é que as risadas estão garantidas.

Tichen! (traduzindo - tchau)

sábado, 27 de outubro de 2012

Jólhe, Jélie, Júlia

Li para a Júlia o livro Marcelo, Marmelo, Martelo, de Ruth Rocha. Presentão que ela ganhou de tia Meg na festa da família. Essas tias são de arrasar! Sempre nos dão livros, e sem dúvida, livros é o melhor presente.


Rimos muito com a história, uma delícia. Para mim foi um recordar, Ruth Rocha é velha conhecida. Recomendo para quem tem filhos pequenos.

Ao terminar a letura, Júlia emenda: aposto que vovô PC leu Marcelo, marmelo...aquelas bobagens que ele fala e eu não entendo nada, ele só pode ter aprendido com Marcelo. Eu cai na gargalhada, e tive que ligar para meu pai para dizer essa novidade.

Desde sua infância, meu pai criou com um amigo uma linguagem que só os dois entendem, e se comunicavam nessa linguagem, deixando todos muito curiosos. E a linguagem é um sucesso na família, e todos são contaminados pela regra de formação das palavras, que segundo ele, em sua gramática, todas as palavras possuem "duas desinências".

O título do post por exemplo, é como se fala Júlia, na sua linguagem.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

XV Encontro da família Hoffmann

Aconteceu no último dia 13 de outubro, o encontro anual da família Hoffmann. Repleto de emoções, re-encontros, muita alegria e gargalhadas.


Como é bom estar rodeado de gente de bem com a vida. Nesses encontros descobrimos primos e parentes que sequer imaginávamos, e nos mais diferentes lugares do país.

Nesse ano, Júlia roubou a cena. O microfone parecia doce, e ela detonou, conquistando a todos com o seu jeito de ser. No ápice da festa, quando conseguiu a atenção de mais de 200 pessoas, ela disse: Agora eu preciso dar um recado muito importante para vocês - e eu pensei comigo, la vem bomba por ai - .... disse mais: o encontro dos Hoffmanns é um sucesso! Precisamos agora organizar o encontro dos Braganças!! (a gargalhada foi geral, Bragança é o nome da família herdado de Verônica).


O mais emocionante do encontro foi quando todos estávamos dançando, e um primo querido, que havia amputado a perna recentemente, levantou-se da mesa e andando com sua recente prótese, jogou as muletas para o lado e começou a dançar também. Todos foram abraçá-lo, e a choradeira foi geral. Ele muito emocionado agradeceu a cada um pessoalmente por tanto carinho recebido em toda a fase difícil que havia passado. 


Figuraças responsáveis por uma boa fatia da ala carioca da família...amo vocês. Genética forte, dominante, praticamente de japonês!

Ano que vem o encontro anual será em Taubaté-SP, e com dois novos membros recém chegados na família!!

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Pedras brancas


Sempre compro livro no Estantevirtual, acho que a sacada dos caras foi genial ao reunir num único lugar, centenas de livreiros e sebos.

A última aquisição me surpreendeu, não apenas pela raridade e pelo preço do produto, mas especialmente pelo atendimento dado pelo livreiro. Era um livro esgotado, e paguei só R$ 5 pratas. 

Além do livro estar super bem embalado, em estado de novo, o que denota o zelo do livreiro com seus produtos, junto do mesmo veio uma pequena pedra branca. Tempos depois recebo a explicação sobre o que seria aquilo, num texto enviado pelo livreiro, o Beto.

A vocês, amigos que estão sempre por aqui, recebam também uma lasquinha dessa pedra, e façam o mesmo com as pessoas que amam. Vamos exercitar a gratidão.

***

Para descansar, não há nada melhor do que uns dias na praia. Não digo aqueles de alta temporada, pois nessa época é provável que a pessoa volte mais cansada do que foi.

Sei que essa questão de gosto é individual. Para alguns uma semana de compras em país estrangeiro é deleite garantido, para outros é o contato com as matas fechadas, outros ainda relaxam enquanto visitam museus dos mais diversos tipos. Cada um tem sua preferência. Quem irá dizer o que realmente nos faz bem, senão nós mesmos?

A última vez em que estive na praia, fiz a coisa que mais gosto de fazer, por ali, que é caminhar descalço na areia. Ah como é bom caminhar na areia! Os pés tocando o solo, descarregando nosso corpo das vibrações negativas. Caminhando, comecei a pensar nas pessoas que amo. A maioria estava longe e me deu uma vontade muito grande de estar perto delas.

Imediatamente me pus a pegar do chão pedrinhas brancas. Por que brancas? Os motivos, irei dizer a seguir. Escolhi as de cor branca, por simples analogia à cor da paz e da pureza. E, diante de tanta variedade de pedras, haveria de fazer uma escolha, porque senão juntaria uma pedreira. Fui caminhando ali, agachando a cada pedra “preciosa” que encontrava, e colocando-as em um saquinho de plástico. Levaria comigo quantas fosse capaz de recolher.

Há algum tempo um livro me ensinou que não existe nada, mas nadinha, mais precioso do que o poder da gratidão. É certo que se deve almejar sempre algo mais ou melhor. Mas, por outro lado, não conseguiremos isso maldizendo a vida que possuímos, as coisas materiais que temos, reclamando das pessoas em torno de nós.

Um dos autores desse livro queria dedicar um ou dois minutos de seu dia para agradecer por tudo aquilo que a vida lhe entregara, mas, com o atropelo da rotina, quase sempre se esquecia. Um dia, olhando uma gaveta, achou uma velha pedrinha que sua filha, quando ainda era uma criança, lhe deu como presente. Sorriu com satisfação. Era uma lembrança boa.

Agradeceu pelos filhos perfeitos que possuía.

Pegou a pedra na mão e teve uma brilhante ideia: “Vou levar essa pedrinha comigo, em meu bolso, todos os dias”. Todas as manhãs a rotina se cumpria, junto a sua carteira, aliança, celular, lá estava sua pedrinha. Ao pegá-la agradecia em pensamento tudo aquilo que fazia parte de sua vida. À noite, quando chegava em casa, repetia o ritual ao contrário, pois ao esvaziar os bolsos estava lá o “lembrete” simbolizado pela pedra. E, novamente, fazia seus agradecimentos.

Esse livro diz que se há alguma coisa de extrema relevância em nossos pensamentos é a força da gratidão. Após tomar conhecimento, adorei a ideia e fiz o mesmo. Interessante lembrar que tinha guardado uma pedrinha que minha filha Maria me deu, então automaticamente passei a adotar tal procedimento.

Enquanto caminhava na praia, tive a ideia de levar “pedrinhas da gratidão” a todos os que me são caros, pois, juntamente com um papel escrito, entenderiam os motivos que me levaram a presentear meus amigos e familiares com simples pedras brancas. 

Já no caminho de volta, pensei na cena: eu dando uma pedra para cada um. Fiquei com vergonha. Naquele momento pensei: as pessoas não vão entender o meu presente, algumas prefeririam camisetas, bonés, ou qualquer coisa que se possa usar sobre o corpo. Desisti da ideia pensando que alguns iriam dizer que fiz isso simplesmente por economia... Penso que muitos não entenderiam o que imaginei.

Muito mais importante do que um presente que proporcione o uso é oferecer um presente que provoque alguma mudança positiva nas pessoas. Mas não tive peito pra isto. Ao desfazer as malas foi deixada na estante da sala a riqueza que eu trouxera da praia: minhas pedras brancas.

Fui até o tanque e lavei-as, para tirar o que sobrou de areia. Depois coloquei-as em um vidro e completei com água juntamente com um produto para deixá-las mais claras. Minha tristeza foi não conseguir fazer como havia planejado, faltou-me coragem; e, por isto, as deixarei à espera de pessoas que valorizem as pequenas coisas.

Quem aí, entre os meus leitores, gostou da ideia que me procure, pois poderei entregar uma pedrinha dessas a você. Porque elas são muito preciosas para estarem nas mãos de pessoas que não as valorizem. Então escolhi entregá-las à medida que forem sendo pedidas. Sei que muitos daqueles para os quais peguei as pedras irão pedi-las. Posso ter feito mal juízo de alguns, mas, podem ter certeza, cada um dos que pedir me trará uma alegria para o coração. Saberei então que estamos sintonizados na mesma rádio. Será um prazer poder dividi-las.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

O rasante da cegonha

No final de agosto, fiquei sabendo da novidade. Disse que minha boca é um túmulo. Na ocasião, mandei a mensagem abaixo para ela.

***


Nada chega por email
que houve Dona Valada?
nem um oi por telefone
por quê tá tão calada?
me revela o segredo
vou manter boca fechada

Tô zonza até agora
cansei de tanta cobrança
a idade vai chegando
vou perdendo a esperança
mas vou logo lhe dizer
em ti tenho confiança

Cospe logo a notícia
não me deixe curioso
tenho até dor de barriga
parece delicioso
sinto cheiro de desejo
de doce apetitoso

O desejo ainda não veio
uma hora vai chegar
a família vai crescer
não é de arrepiar?
a cegonha já desceu
um neném vamos ganhar


***


Quase um mês depois, 19 de setembro,  e a Ivana vai dar a notícia para seus pais da chegada do bebê, justamente no dia do aniversário do seu pai, é para matar o velho!!

Fui o segundo a saber
consegui manter segredo
fiquei de boca fechada
a língua coçando no dedo
faz tanto tempo que sei
e isso me mete medo

é chegado o dia
a trombeta vai soar
presentão de aniversário
o portuga vai ganhar
só espero que com a notícia
o velho não vá desmaiar

***

Tive de segurar a língua até hoje, pois tenho certeza que o pai da Ivana iria saber por aqui antes, leitor assíduo que é deste blog (tá certo, exagerei nessa!)

Engraçado que esse é daqueles segredos que ela conta para todo mundo, e pede para ninguém espalhar né? Parabéns Ivana, Fábio e Dodô!! Filhos são dádivas de Deus em nossas vidas.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pérolas

Ontem, enquanto tomava banho, ganhei duas pérolas de presente.

Júlia entra no banheiro e diz:
- Papai, tenho uma notícia excelente para te dar.
- Agora vou assistir jogos com você, os do Brasil e o do Flamengo.
Respondi:
- Legal!! (pensei, vai mudar de time com essa fase negra do mengão)
E ela de bate-pronto:
- Você me dá o seu 'radinho'? (interesse puro)

***

Em seguida, Laura entra e eu estou me secando, começa o interrogatório.
- Tomou banho? Tomei
- Lavou cabeça? Sim
- Passou sabão? Sim
- Lavou a pititita ? (pedi socorro)

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Mote: caso de clonagem

Tanto dia pra nascer
e têm o mesmo natalino
como pode acontecer?
um paulista outro sulino
o primeiro caso raro
de gêmeos bivitelino

Dizem que ele parece
com o pai da moça loura
será qu´eles nasceram
como o cristo em manjedoura?
da roça os dois vieram
desde cedo na lavoura

Marayse e Claudio Dundes
deixo aqui a homenagem
pelo niver de vocês
o cordel como linguagem
pra dizer a todo mundo
cês são caso de clonagem

*Ilustração retirada daqui.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A sensibilidade é branca


Existem Médicos e médicos.

O pediatra da Júlia, um Médico de verdade, está fora do país, participando de um congresso.

Vacilamos, pois essa era a única pergunta que não poderia ter sido esquecida na consulta com o pediatra na semana passada...tá, na sua ausência, a quem podemos recorrer caso algo aconteça??

Obviamente, nessas horas, shit happens. E verônica é faixa preta na arte de encontrar solução.

Júlia apareceu com um quadro de febre, que voltava exatamente a cada 6hs e sem motivo aparente. Após tentar um primeiro atendimento em Rio Bonito, onde todos os médicos consultados se recusaram a atender, dizendo que não tinham agenda, e diante da falta de pediatra tanto no hospital quanto na UPA, ficamos sem chão.

Verônica liga para a clínica do pediatra em Niterói, em busca de um socorro, e foi logo perguntando: na ausência dele, quem é indicado??

A recepcionista respondeu: o Pai dele! Como assim!! ele tá atendendo hoje?? (Era meu pediatra, e há trinta anos atrás ele já era velhinho...sim, continua na ativa). Pode marcar!!!

O bom velhinho atendeu a Júlia, identificou o quadro de faringite iniciando e medicou...a febre se foi.

Chego em casa e pergunto a Júlia, e ai, gostou do velhinho que era o médico do papai? 

E ela: sim, gostei muito! Ele é muito sensível! Me examinou com carinho. O filho é bruto, me examina machucando (não aguentei, caí na gargalhada, coitado de Dr. Paulo, não tem essa culpa em cartório)...ele não! E é mais velho que biso, tá com a cara inchada de velhice. Biso tem a cara lisinha.

É isso, a sensibilidade tem cabelos brancos.

Sou mais uma vez grato a esse excelente Médico, que na idade avançada, continua exercendo com muito amor, seu ofício.

Deus te abençoe, Dr. Aziz.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Banho de chuva

Quem não se lembra dos banhos de chuva na infância? Todos devem ter dessas histórias para contar...ou alguém não viveu essa experiência?

A preocupação dos pais antes de assinarem a liberação para a farra, confirmando a ausência de raios e trovões...a preocupação pelos resfriados...mas na verdade, ninguém segurava a molecada quando a pancada de chuva caia.


E sabia que você pode ter essa sensação deliciosa novamente? E se lembrar dos momentos gostosos de sua infância ao tomar banho de chuva. Veja ai como fazer, quando for tomar seu banho.

- Deixe a água do chuveiro cair sobre sua cabeça;
- Feche os olhos;
- Pressione com o dedo indicador a parte da orelha conhecida como trago*, tampando a entrada de água no ouvido. (desnecessário dizer que tem que fazer nas duas orelhas né, dãhhh)

Divirta-se com a sensação deliciosa de chuva.

E cuidado para não viciar!! Olha a conta de luz!!


* Jamais imaginava que aquela bolinha se chamava trago.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Mensagem pra você

Lembram desse filme, mensagem para você??

Meg Ryan e Tom Hanks, fim da década de 90, e a Internet começando a mostrar o seu poderio.

Por que me lembrei disso??

Pergunto-lhe, há quanto tempo você não entra numa agência dos Correios, para postar uma carta simples? Pense ai...não vale Sedex, nem Pac...carta simples mesmo! Tive esse prazer recentemente, e esse ato de postar uma carta, que está cada vez mais fora da nossa realidade, me fez pensar muito...

No início do mês, quando recebi a visita de amigos queridos no RJ, após ganhar das mãos do Cláudio Dundes uma caixa com uma receita de família feita por sua mãe (biscoitos de pinga e broinhas de milho), eu queria entrar em contato com ela para agradecer pelo carinho. Detalhe que ela mora em Regente Feijó, enviou a encomenda ao filho por Sedex até a capital de SP, e o mesmo trouxe aquele baita peso para me entregar no RJ.

Na semana seguinte, após saborear tudo aquilo, mandei uma carta para ela, uma vez que ela não deve ter e-mail, e não achei-a no facebook. E no caminho para os Correios, pensava nas facilidades tecnológicas dos dias de hoje, onde com um simples clicar do mouse, entramos em contato com o mundo...seria muito mais fácil né!? Até mesmo um celular quebraria o galho.

Se somarmos todo o tempo, desde a escrita da carta em papel (pude constatar que minha caligrafia está um horror, uma vez que só escrevo no computador), a ida a papelaria para comprar um envelope, e a ida aos Correios para postar a carta, gastei em torno de duas horas para fazer todo o processo...e se enviasse a resposta por mail, ou através de uma mensagem no facebook, gastaria poucos minutos.

Com isso, refleti que a tecnologia está ai para nos fazer ganhar tempo. Mas ao contrário, estamos cada vez mais escravos da tecnologia. E, ao invés de usarmos essa sobra de tempo que ganhamos pelas facilidades tecnológicas, para as outras coisas, temos perdido muito tempo com ela, com coisas que não nos engrandecem. (vide o tempo que perdemos no computador, sem nada a acrescentar em nossa cultura geral. Graças a isso, dei adeus ao facebook).

E tudo por causa de uma simples ida aos Correios.

Essa é a mensagem que gostaria de deixar para reflexão. A facilidade da vida material chega ao mundo, a fim de que as pessoas tenham uma sobra de tempo para se dedicar às verdades do ser eterno.

Em tempo, Dundes, agradeça a sua mãe por mim (sabe se ela recebeu a carta?), não somente pelos quitutes, mas especialmente, por me fazer ir aos Correios e pensar sobre essas coisas que estavam tomando um tempo precioso demais em minha vida, e que hoje eu já priorizo outras coisas muito mais importantes.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Alegria em dobro

Ontem foi meu niver!

Recebi telefonemas que me fizeram chorar de emoção...outros me fizeram sorrir. Todos os contatos me deixaram feliz!

Dentre tantas lembranças especiais no dia de ontem, a ligação de tia Rachel foi demais.

Após os votos de felicidades e saúde, pergunto se está tudo bem com eles. Ela diz que tio Betinho continua vendo tudo em dobro (diplopia). Na hora de almoçar, é um festa, pois ele vê dois pratos de comida. Daí ele dá a garfada no prato errado, e não pega nada. Ai eu falo, Betinho, tá no prato errado!! Ele olha pra mim com um misto de surpresa e espanto, afinal, ele agora está vendo duas Rachels!! Se ele não dá conta de uma, imagina duas!!  Pobre Betinho!

Morri de rir! Tia Rachel é alegria em dobro.

Obrigado a todos pelo dia de ontem. A festinha surpresa foi linda! Obrigado Verônica, Júlia e Laura. Até bilhetinho em espanhol eu ganhei da Júlia. Minhas mulheres são um escândalo.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

O canto da Sereia

E não é que o apelido que a Júlia lhe deu pegou! Marinês, a sereia que mora num Recife de coral, tem é histórias pra contar. Viajada como só ela, é sempre um prazer ouvir seus 'causos' pelo mundo afora.

Um dos que mais gosto se passou na maratona de Chicago, em 2010. A data era emblemática, foi escolhida a dedo. 10 de outubro de 2010. Convertendo em números, 10-10-10.


A Sereia, ao chegar em Chicago e ver o outdoor da prova, não conseguiu traduzir uma palavra que ali estava...pergunta então com seu sotaque arretado: "o que significa iô iô iô"? A risada foi geral...

E não é que estou sempre me lembrando disso! Semana passada, ao preencher um formulário com a data de nascimento da Laura, lembrei dela, pois escrevi 10-11-10, quase o iô iô iô. fiquei a rir sozinho e a atendente me achando um louco. Liguei para a Sereia para contar, e rimos muito.

Outro dia, ao visitar a casa de um amigo, me deparo com a caixa abaixo sobre um móvel...mais uma fez fiquei a rir sozinho.


E por fim, ao ouvir a música de abertura da novela Avenida Brasil, venha dançar kuduro oi oi oi, eu lembro que é iô iô iô ao contrário.

A sereia Marinês, com seu canto, tem conquistado as pessoas por onde ela passa. Ah se Odisseu ouvisse o canto da nossa Sereia...ele teria sucumbido.

Sereia, eu te adoro viu!!! "Sorry eu".

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Algum voluntário?

Já pensou no significado dessa palavra, voluntário?

Nunca ouviu alguém falar: "Preciso de um voluntário, quem se habilita?" ou "Alguém como voluntário?"

Por definição, voluntário, é o que age espontaneamente.

E sobre o trabalho voluntário, já prestou algum? Dedicar um tempo ao próximo, sem remuneração, com o objetivo de ser/fazer a diferença para alguém...

Se você ainda não havia pensado nisso, pense com carinho. O que você pode fazer para melhorar o mundo a sua volta?

Se não puder fazer muito, faça pouco mas com amor e dedicação.

Se no início não conseguir fazer com amor, faça porque julga importante e necessário.

No decorrer do tempo, você estará tão envolvido com seu serviço voluntário que já não conseguirá mais viver sem praticá-lo. É só uma questão de tempo e persistência.

Se todos buscassem desenvolver esse espírito social, em pouco tempo teríamos um mundo melhor em todos os sentidos.

Não venha com desculpas que não tem tempo, ou não tem nada para colaborar. Todos temos algo a oferecer.

***
Recebo com muita alegria um trabalho desse feito pela Júlia.

A convite de sua avó Wilma, que é uma das diretoras (voluntária) de um lar de idosos em Rio Bonito, ela foi colaborar com o lanche dos vovôzinhos. Oferecendo sua experiência, seu amor e seu talento, ajudou na confecção de bolos e biscoitos, adoçando a vida, muitas vezes amargas, daqueles que ficam (a maioria das vezes) esquecidos da sociedade e muitas vezes, da própria família.

Como diz a canção, "fica sempre um pouco de perfume, nas mão que oferecem rosas...nas mãos que sabem ser generosas".






Fonte: Adaptado daqui

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Prata e Ouro

Nunca havia lido nada sobre o Budismo. Me deparei nessa manhã com essa interessante questão sobre o uso da palavra. Digo que levei uma paulada.

- Se não for verdade, se não trouxer benefícios e for desagradável,
    não diga.

- Se não for verdade, se não trouxer benefícios e for agradável,
    não diga.

- Se for verdade, mas não trouxer benefícios e for desagradável,
    não diga.

- Se for verdade, não trouxer benefícios e for agradável,
    não diga.

- Se for verdade, benéfico mas desagradável,
    saiba quando dizer.

- Se for verdade, benéfico e agradável,
    saiba quando dizer.

Duas grandes virtudes: sabedoria e compaixão. É preciso trabalhar ambas.


A sabedoria lhe diz o que é verdade e benéfico. Não é algo que se aprende, é algo que se tem e se sente. Essas são as coisas que valem a pena ser ditas.

Se você não tem certeza de que é verdade, não precisa falar. Se tem certeza de que tem algo verdadeiro e benéfico para dizer, lance mão da segunda virtude - a compaixão.

A compaixão o ajuda a saber quando dizer a verdade, pois esse sentimento está relacionado com o outro e não com você. Ela analisa a outra pessoa e sente se é o momento certo para a pessoa ouvir a sua verdade. Fazendo isso, saberá quando ela precisa ouvir algo agradável e quando está preparado para ouvir algo desagradável.


Quem sabe exercitando a sabedoria e a compaixão, as pessoas não passem a lhe dizer..."O que ele diz é prata, o que ele cala é ouro".

Fonte: adaptação livre do livro "Buda na Mochila", de Franz Metcalf




sexta-feira, 8 de junho de 2012

Diamantes da paciência

Hoje é um dia especial.

Os avós de Verônica (Weber e Maria), completam sessenta anos de casados! Fui pesquisar qual seria essas bodas, e numa resposta verdadeira e engraçada, encontrei que seriam bodas de paciência...na verdade, são Bodas de Diamante.


Isso é raridade nos nossos dias, onde o casamento virou uma trivialidade, e as relações começam e terminam por nonadas.

60 anos de casados...assim como um diamante...raro, duradouro, coeso, um tesouro.

São exemplos vivos para nós, de como conduzir uma relação com amor, e acima de tudo, com respeito mútuo.

Obrigado Weber e Maria!! O exemplo de vocês é para sempre. 


Beijos do neto adotivo.

sábado, 26 de maio de 2012

É Galogue

Essa baixinha não sabe andar, ela só sabe correr!


E o anjo da guarda dela tem é trabalho, já deve estar pedindo aposentadoria por periculosidade...

Quando ela ouve os acordes da abertura da novela das 19h, parte em disparado para a frente da tv para cantar e dançar ao som de (ex my love), o qual ela canta falando (é galogue). 

Numa dessas corridas para dançar, ela bateu de testa numa quina e caiu batendo com a nuca no chão, praticamente um duplo twist carpado de Daiane dos Santos. Fico a pensar se fosse a primeira filha no momento que ainda era filha única...no mínimo, o equipamento de tomografia teria que vir até nossa casa...com as experiências, os filhos seguintes parecem ser feito de outro material, muito mais resistente. Do Galogue sobrou apenas um galo na testa. Nem ligação para o pediatra teve.

Isso me remete a um mail recebido tempos atrás, bem divertido, e que compartilho aqui. Sobre as diferenças nos tratamentos dos filhos...veja se não faz sentido.


ORDEM DE NASCIMENTO DOS FILHOS...

MATERIAL

 O 1º filho é de vidro...
O 2º é de borracha...
O 3º é de aço.

PLANEJAMENTO 

O 1º filho é (em geral) desejado.
O 2º é planejado.
O 3º é escorregado...

A ORDEM DE NASCIMENTO DAS CRIANÇAS 

1º- Irmão mais velho tem um álbum de fotografia completo, um relato minucioso do dia em que veio ao mundo, fios de cabelo e dentes de leite guardados.
2º - O segundo mal consegue achar fotos do primeiro aniversário.
3º- O terceiro não faz ideia das circunstâncias em que chegou à família.

O que vestir 

1º bebê - Você começa a usar roupas de grávidas assim que o exame dá positivo.
2º bebê - Você usa as roupas normais o máximo que puder.
3º bebê - As roupas para grávidas são suas roupas normais, pq vc já deixou de ter um corpinho de sereia e passou a ter um de baleia.

Preparação para o nascimento
1º bebê - Você faz exercícios de respiração religiosamente.
2º bebê - Você não se preocupa com os exercícios de respiração, afinal lembra que, na última vez, eles não funcionaram.
3º bebê - Você pede para tomar a peridural no 8º mês pq se lembra que dói demais.

O guarda-roupas 

1º bebê - Você lava as roupas que ganha para o bebê, arruma de acordo com as cores e dobra delicadamente dentro da gaveta.
2º bebê - Você vê se as roupas estão limpas e só descarta aquelas com manchas escuras.
3º bebê - Meninos podem usar rosa, né? Afinal o seu marido é liberal e tem certeza que o filho vai ser macho igual ao pai!

Preocupações 

1º bebê - Ao menor resmungo do bebê, você corre para pegá-lo no colo.
2º bebê - Você pega o bebê no colo quando seus gritos ameaçam acordar o irmão mais velho.
3º bebê - Você ensina o mais velho a dar corda no móbile do berço ou manda o marido ir até o quarto das crianças.

A chupeta

1º bebê - Se a chupeta cair no chão, você guarda até que possa chegar em casa e fervê-la.
2º bebê - Se a chupeta cair no chão, você a lava com o suco do bebê.
3º bebê - Se a chupeta cair no chão, você passa na sua camiseta, dá uma lambida, passa na sua camisa desta vez para dar uma secadinha pra não pegar sapinho no nenê, e dá novamente ao bebê, pq o que não mata, fortalece (vitamina B, de Bicho, off course!)

Troca de fraldas

1º bebê - Você troca as fraldas a cada hora, mesmo se elas estiverem limpas.
2º bebê - Você troca as fraldas a cada duas ou três horas, se necessário.
3º bebê - Você tenta trocar a fralda somente quando as outras crianças começam a reclamar do mau cheiro.

Banho

 1º bebê - A água é filtrada e fervida e sua temperatura medida por termômetro.
2º bebê - A água é da torneira e a temperatura é fresquinha.
3º bebê - É enfiado diretamente embaixo do chuveiro na temperaturaque vier, pq  vc, seu marido e seus pais foram criados assim, e ninguém morreu de frio.

Atividades 

1º bebê - Você leva seu filho para as aulas de musica para bebês, teatro, contação de história, natação, judô, etc...
2º bebê - Você leva seu filho para a escola e olhe lá...
3º bebê - Você leva seu filho para o supermercado, padaria, manicure, e o seu marido que se vire para levá-lo à escola e ao campo de futebol...

Saídas

 1º bebê - A primeira vez que sai sem o seu filho, liga cinco vezes para casa da sua mãe (sua sogra não pode ficar com a criança pq na sua cabeça, ela nunca foi mãe), para saber se ele está bem.
2º bebê - Quando você está abrindo a porta para sair, lembra de deixar o número de telefone pra empregada.
3º bebê - Você manda a empregada ligar só se ver sangue.

Em casa 

1º bebê - Você passa boa parte do dia só olhando para o bebê.
2º bebê - Você passa um tempo olhando as crianças só para ter certeza que o mais velho não está apertando, mordendo, beliscando, batendo ou brincando de superman com o bebê, amarrando uma sacola do carrefour no pescoço dele e jogando ele de cima do beliche.
3º bebê - Você passa todo o tempo se escondendo das crianças.

Engolindo moedas

1º bebê - Quando o primeiro filho engole uma moeda, você corre para o hospital e pede um raio-x.
2º bebê - Quando o segundo filho engole uma moeda, você fica de olho até ela sair.
3º bebê - Quando o terceiro filho engole uma moeda, você desconta da mesada dele.   

terça-feira, 8 de maio de 2012

Os passos do pai

Júlia adorava ver os treinos de ciclismo que eu fazia no rolo. Achava interessante o fato de me ver pedalando sem sair do lugar.

Inventou assim o seu próprio rolo de treinamento.



video

Ninguém desvendou o enigma...a esfinge papou todos.

terça-feira, 1 de maio de 2012

decifra-me ou devoro-te

A invenção abaixo é da autoria da dublê de engenheira, Júlia, na época com 4 anos. Dois pedaços de madeira e duas pedras de mármore.



O primeiro a decifrar a engenhoca levará uma lembrança do Empório. Não vale quem já viu em ação.

Semana que vem, se ninguém decifrar, a esfinge lhes devora.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Pollock em casa

Estava com Laura no colo, assistindo clips infantis no youtube, quando Júlia sentou na outra perna e pediu para que eu colocasse o programa para ela desenhar (paint).

Abri a tela, e saí da frente do computador, deixando-a sozinha.

Quando volto ao computador para desligá-lo, tarde da noite, eis o que encontro na tela...

Não demorou, os artistas da família se manifestaram, identificando a semelhança com Pollock.

Ramon Botelho até mandou fotinhas da exposição que visitou em NY, em 2010.




Temos um Pollock em casa!!

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Paisagem da janela

Inauguro uma seção de fotos chamada Relicário. São clics despretenciosos, que me remetem a pessoas amigas.

O primeiro da lista é o biólogo das aves, fotógrafo, corredor e grande amigo. Sir Gilmar Farias.

Da janela de minha casa avisto um bem-te-vi cantando. Por sorte ele pousa em frente a uma jaqueira. Formou o cenário perfeito. Pássaro + jaqueira = Gilmar e ACORJA.

Homenageio por tabela todo povo do Recife, especialmente os amigos corredores da Jaqueira.


PS: A moldura em losango não é efeito, é a grade de proteção da janela.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Axiomas do pão de forma

- Por que, ao se abrir um pão de forma, ninguém come a primeira fatia (cascuda) ?

- Por que, além de não comer a primeira fatia, ninguém a joga fora, e ela fica descendo no topo da pilha de fatias remanescentes, até encontrar a última fatia, que também é uma casca, e que ninguém come?

Para homenagear essa crise existencial da primeira e última fatia do pão, fiz essa receitinha aqui.

Simples, como as boas receitas.

Com a boca de uma taça corte uma rodela do miolo da fatia do pão, retirando-a.

Aqueça uma frigideira antiaderente untada com manteiga e doure um lado das fatias de pão. Vire-a. Abra um ovo no buraco de cada fatia de pão e deixe o ovo fritar. Polvilhe com sal e pimenta. Sirva quente com salada.




Lembrei que levava de merenda para a escola pão com ovo, e comia aquele sanduíche geladão. Bom voltar aos tempos de escola!

sexta-feira, 23 de março de 2012

Racismo zero

Racismo aqui não tem vez.

Seja preto

By Zezé

ou seja branco

By Lúcia

Todos são bem vindos.

Servidos?

quinta-feira, 15 de março de 2012

Empadão Esfinge


Faz tempo que Marly, esposa de Ivo Cantor, não divide nada conosco. Suas receitas são espetaculares. Além de serem simples e deliciosas, como este empadão de grão-de-bico.


Ingredientes : 500g de palmito fresco (ou o conteúdo de um vidro médio), 500g de grão-de-bico (1 pacote), 1 maço de cheiro-verde, sal, alho e azeite de oliva, a gosto.

Modo de fazer : deixe o grão-de-bico de molho por 2h. Drene e cozinhe com água e sal até ficar macio. Escorra e passe na peneira ou espremedor (não deu certo, é mais prático e rápido amassar com um garfo). Misture a massa com um pouco de azeite e utilize a metade para forrar uma vasilha refratária. A outra parte deste purê servirá como cobertura. Faça um refogado com azeite e alho. Coloque o palmito picado e o cheiro verde, tempere com sal e cozinhe até ficar macio. Coloque este recheio na forma, sobre a parcela de purê, cubra com o restante. Pincele com azeite, faça com o garfo o desenho que aprecia e leve ao forno para dourar.

* * *

Já fizemos o original com recheio de palmito, e também  com outros recheios, como frango com catupiry e também de provolone. A massa é fácil, leve, light, e traz um sabor especial. Desce muito bem também depois de gelado, naquele ataque desesperado à geladeira.

É esfinge pois você convida as pessoas a desvendarem do que se trata. Nunca vi uma massa tão simples e genial, recomendo!!

terça-feira, 6 de março de 2012

Poderia ser pior

Quase sempre, precisamos de um olhar mais Pollyanna, tipo "jogo do contente".

Vinha eu andando para o trabalho, quando ao atravessar a rua, uma gota d'água pinga na testa.

Maldito ar condicionado, pensei. Ao passar a mão na testa, o líquido veio preto e fedorento.

Pombo viado!! Parece que comeu uma feijoada na véspera!

Lá vai eu para o trabalho com a cabeça toda cagada. Pelo menos não caiu na roupa.

Perguntei a Pollyanna, e ai, o que me diz desse início de dia glorioso...

Me veio a mente uma daquelas frases do dia, que recebemos pela Internetl: "Deus é tão sábio que deu asas a pombos, e não a vacas".

Cheguei sorrindo sozinho no trabalho, de bem com a vida.